Cinema, semiótica e ensino

uma experiência semântica com estudantes de língua inglesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i2.1555

Palavras-chave:

Ensino de línguas, Emoções, Discurso verbal e fílmico, Paranoid Park

Resumo

Este artigo apresenta uma sugestão de trabalho com a escrita em língua inglesa, embasada na teoria da semiótica discursiva. Para isso, destaca noções de empatia e manipulação discursiva, na compreensão de um texto fílmico. O objetivo é registrar a contribuição dessa semiótica para o trabalho com o texto verbal e o audiovisual, por meio da aplicação de uma sequência didática, da promoção de um exercício empático e de uma discussão sobre as relações entre enunciador e enunciatário. A partir da contextualização emocional do filme Paranoid Park, e de uma tabela de palavras relacionadas a emoções, os estudantes tiveram que produzir dois textos escritos: um narrativo, em primeira pessoa, e um dissertativo/argumentativo que explicasse o motivo de escolhas léxicas para descrever as emoções que o filme sugeria. A tabulação dessas escolhas revelou uma eficiente manipulação do enunciador. Esse resultado aponta para a contribuição da teoria utilizada para o desenvolvimento de práticas diversificadas de letramentos, conforme sugerem as orientações da BNCC (2017).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Edison Gomes Junior, Instituto Federal do Mato Grosso, Alta Floresta, Mato Grosso, Brasil

Doutor em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês, professor na Universidade do do Estado de Mato Grosso

Referências

BARROS, Diana Luz de. Teoria do discurso: fundamentos semióticos. 3ª. ed. São Paulo: Humanitas, FFLCH/USP, 2002. 174p.

BORDWELL, David. Narration in the fiction film. Wisconsin: The University of Wisconsin Press, 1985. 384p.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/ Acesso em 20/02/2020.

BRASIL. Ministério da Educação. PCN+ Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília, 2002.

BRITISH COUNCIL BLOG AWARD. Disponível em: http://britishenglishcoach.com/talking-about-emotions-and-feelings. Acesso em 24/02/2020.

FIORIN. José Luiz. Elementos de análise do discurso. São Paulo: Editora Contexto, 2011. 126p.

GREIMAS, Algirdas J.; COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. São Paulo:Editora Contexto, 2011. 543p.

SANTOS, Gildete Cecília N. Textos imagéticos em discussão: multimodalidade e letramento crítico em sala de aula de língua inglesa. In: NASCIMENTO, A. K. de O.; ZACCHI, V. J. (Org.). Formação docente em língua inglesa: diferentes perspectivas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2019. p. 39- 53.

SEVERINO, Antônio J. Metodologia do trabalho científico. 23º. ed. revista e atualizada. São Paulo: Cortez, 2007. 304p.

URZÊDA FREITAS, Marco Túlio de. Ensino de línguas como transgressão: corpos, discursos de identidades e mudança social. Jundiaí: Paco Editorial, 2013. 188p.

VAN SANT, Gus. (Diretor). Paranoid Park [Filme]. IFC First Take, 2007.

PARANOID PARK. Gus Van Sant (Diretor). 84 min. col. son. YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=mP8LDUNz4uE. Acesso em 20/11/2020.

Downloads

Publicado

2021-11-18

Como Citar

Gomes Junior, E., & Cristina Gallardo, B. (2021). Cinema, semiótica e ensino: uma experiência semântica com estudantes de língua inglesa. Revista Da Anpoll, 52(2), 121–137. https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i2.1555