Ressignificação discursiva em diferentes contextos:

linguística popular e ludolinguistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i1.1530

Palavras-chave:

Discurso, Ressignificação, Linguística Popular

Resumo

Neste artigo, num primeiro momento, com certo vagar, apresentamos as reflexões de Marie-Anne Paveau (2019a, 2019b, 2020) sobre a questão da ressignificação discursiva. Na sequência, testamos essa proposta em dados distintos dos quais Marie-Anne Paveau mobilizou. Trata-se de um pequeno conjunto de textos que ressignificam por um lado o branqueamento de Machado de Assis e, por outro, algumas das falas insultuosas de Jair Bolsonaro desferidas a distintos atores sociais.  Por último, a partir da categoria de ludolinguista, proposta por Paveau (2008, 2018, 2020) e, com base num conjunto de dados, que tornam em derrisão a atuação desastrosa de Jair Bolsonaro frente às queimadas da Amazônia e do Pantanal, bem como a sua atuação pouco eficaz frente ao controle de preços de alguns produtos, representados metonimicamente pelas designações Bolsonero e Bolsocaro, propomos a categoria de ressignificação humorística.  Entendemos com base nas análises que a ressignificação discursiva, especialmente a humorística, pode se tornar numa importante ferramenta de combate aos discursos de ódio, que circulam atualmente na nossa sociedade e que cristalizam as mais variadas relações de poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Roberto Leiser Baronas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil

É professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). É um dos coordenadores do Laboratório de Estudos Epistemológicos e Discursividades Multimodais (LEEDiM/UFSCar) e da Unidade de Pesquisa em Lingüística popular – UPLiP - (UFSCar). Co-editor da revista Linguasagem – Revista Eletrônica de Popularização Científica em Ciências da Linguagem PPGL/UFSCar e da Revista Polifonia da UFMT. Seus estudos têm como foco a análise do discurso, a lingüística popular, o discurso político e a epistemologia e a história da lingüística brasileira.

Julia Lourenço Costa, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil

É pesquisadora de pós-doutorado na Universidade Federal de São Carlos e bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (UFSCar - FAPESP 2017/12792-0), com período de estágio de pesquisa na Université Paris XIII. Mestra (2013) e Doutora (2017) em Semiótica e Linguística geral pela Universidade de São Paulo (USP). Desenvolve pesquisas em Análise do discurso discurso digital nas diversas interfaces com os movimentos sociais, especialmente aqueles ligados aos feminismos. Membra do grupo de pesquisa MulherDis-UNICAMP; do GES-USP e do LEEDiM-UFSCar. Editora assistente na revista Linguasagem e na revista da ANPOLL.

Tamires Cristina Bonani Conti, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil

Desenvolve doutorado sanduíche na Université Paris-Est Créteil - UPEC, com supervisão de Dominique Ducard, cujo projeto é ligado, no Brasil, ao Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSCar e tem apoio da Fapesp. Desenvolveu pesquisa de mestrado na mesma universidade. Fez parte deste mestrado (sanduíche) na Université Sorbonne Nouvelle - Paris 3, sob supervisão de Dominique Legallois (com apoio da Fapesp). É bacharela em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (2014). Fez intercâmbio acadêmico de graduação na Universidad de Buenos Aires (2013/1). Foi bolsista de Iniciação Científica da FAPESP (2011-2012) e também do CNPq (2014). É integrante do Grupo de Estudos "Laboratório de Estudos Epistemológicos e de Discursividades Multimodais" (LEEDiM/ UFSCar).

Referências

BRONTSEMA, R. A Queer Revolution: Reconceptualizing the Debate Over Linguistic Reclamation. Colorado Research in Linguistics, v. 17, n. 1, p. 17-34, 2004.

BUTLER, J. Excitable Speech. A politics of the performative. Inglaterra: Routledge, 2003.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 3 ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

ISI-TICS. Mas afinal de contas o que é TICS? SENAI. Instituto de Inovação e Tecnologia da Informação, 2019.

KUNERT, S. Circulations-transformations. Le stéréotype et la norme re-signifiés : vers une théorie communicationnelle des processus de stéréotypie et de normativité : les minorités sexuelles et de genre dans les discours marchands et les discours militants. thèse de doctorat, Paris 4, Celsa, 2010.

KUNERT, S. Dégenrer les codes : une pratique sémiotique de défigement. Semen, n. 34: http://semen.revues.org/9770, 2012.

MOIRAND, S. A contribuição do pequeno corpus na compreensão dos fatos da atualidade. Tradução de Fernando Curtti Gibin e Julia Lourenço Costa. Revista Linguasagem, v. 36, n. 01, 2020. http://www.linguasagem.ufscar.br/index.php/linguasagem/article/view/826.

MOIRAND, S. Olhares midiáticos sobre uma pandemia: “instantes discursivos de uma crise sanitária sob o prisma dos números, do risco e da confiança”. Live apresentada no Projeto de extensão Discurso em Tempos de Pandemia – Fase II em 23 de setembro de 2020b. https://www.youtube.com/watch?v=luEE9FbBBOs.

PAÏNI, A. Rhabiller les symboles : les femmes kanak et la robe mission à Lifou (Nouvelle- Calédonie). Journal de la Société des Océanistes, n. 117, p. 233-253, 2003.

PAVEAU, M.-A. Norme, idéologie, imaginaire. Les rituels de l’interpellation dans la perspective d’une philosophie du discours. In: Corela. L’interpellation, Actes du Colloque international L’interpellation. Perspectives linguistiques et didactiques, 2010. http://corela.edel.univpoitiers.fr/index.php?id=1797

PAVEAU, M.-A. Réalité et discursivité. D'autres dimensions pour la théorie du discours. Semen, n. 34. 2012. http://semen.revues.org/9748.

PAVEAU, M.-A. Linguagem e moral: uma ética das virtudes discursivas. Trad. Ivone Benedetti. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.

PAVEAU, M.-A. Le discours pornographique. Paris, La Musardine, 2014.

PAVEAU, M.-A. Ce qui s’écrit dans les univers numériques. Matières technolangagières et formes technodiscursives. Itinéraires ltc, 2015. http://itineraires.revues.org/2313.

PAVEAU, M.-A. Feminismos 2.0. Usos tecnodiscursivos da geração conectada. Tradução de Julia Lourenço Costa. In: COSTA, J. L.; BARONAS, R. L. Feminismos em convergências: discurso, internet e política. Portugal: Grácio Editor, 2020.

PAVEAU, M.-A. Análise do discurso digital: dicionário das formas e das práticas. Campinas, SP: Pontes Editores (in print), 2021.

PAVEAU, M.-A. Le genre: une épistémologie contributive pour l’analyse du discours. In: Husson A.-C. et al. (org.). Le(s) genre(s). Définitions, modèles, épistémologie. Lyon, ENS Éditions, p. 79- 95, 2018.

PAVEAU, M.-A. La blessure et la salamandre. Théorie de la resignification discursive. IN: Stigmatiser : normes sociales et pratiques médiatiques. Actes du colloque du CARISM, online sur HAL, 2019a. https://hal.archives-ouvertes.fr/hal-02003667.

PAVEAU, M.-A. La ressignification. Pratiques technodiscursives de répétition subversives sur le web relationnel. In: Marie-Anne (dir.). Discours numériques natifs. Des relations sociolangagières connectées. Langage & Societé. n. 167, 2019b.

PAVEAU, M.-A.; LOURENÇO, J. L.; BARONAS, R. L. Ressignificação em contexto digital. São Carlos: Editora da UFSCar, 2021.

Downloads

Publicado

2021-05-31

Como Citar

Leiser Baronas, R., Lourenço Costa, J., & Bonani Conti, T. C. (2021). Ressignificação discursiva em diferentes contextos:: linguística popular e ludolinguistas. Revista Da Anpoll, 52(1), 15–33. https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i1.1530

Edição

Seção

Estudos Linguísticos (2021)