A ESCRAVIDÃO E O CORPO

Josalba Fabiana Santos

Resumo


Este artigo analisa o fantasma de uma escrava em A menina morta (1954), romance de Cornélio Penna, como uma demonstração das relações de poder durante o período escravocrata no Brasil do Segundo Império. O livro espelha essas relações formalmente, pois, além de um narrador principal culto, possui narradoras de pequenas histórias que são escravas ou libertas. Algumas destas histórias, como neste caso, são assustadoras.  Para a análise, recorremos ao conceito de fantasma desenvolvido por Felinto (2008) e por Derrida (1994). Consideramos também a discussão feita por Deleuze e Guattari (2012) sobre a rostidade, já que esse é um elemento importante no fantasma em questão.

 

Creative Commons License 
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.


Palavras-chave


Cornélio Penna; A menina morta; Escravidão; Fantasma; Rosto

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i41.927

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2016 Revista Anpoll

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.