Reinventando o imaginário e as representações sociais

em favor de uma Sociolinguística da esperança

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52iesp.1594

Palavras-chave:

Sociolinguística, Contingência, Esperança social

Resumo

Neste ensaio, apresento uma agenda para novo desafio da Sociolinguística, no quadro da esperança social. A agenda se consubstancia em ações, apresentadas no gerúndio: constatando o que se passa no mundo das ideias, como as pessoas se movem dentro de imaginários, representações e percepções sociais contingentes; desvelando o caráter violento da produção cultural e gramatical em que as pessoas se movem; aprendendo a lidar com a linguagem culta fascista e integrando o movimento de resistência, resiliência e esperança social; interagindo com Latour (2001), Stoer et al. (2004), Fairclough (2016) e Rorty (2000, 2002, 2005), na agenda da esperança social, e da cidadania reclamada; examinando as metas do Grupo de Trabalho de Sociolinguística da Associação Nacional de Pós-Graduação em Letras e Linguística (ANPOLL), no plano do biênio 2018-2020; formulando uma agenda da sociolinguística da esperança social, a partir das aberturas desse plano; buscando parcerias multi, inter e transdisciplinares com correntes socialmente comprometidas de funcionalismos, gerativismos, gramáticas das construções, teorias ator-rede, e postulados da linguística da resistência, da resiliência e do neopragmatismo de Rorty; detalhando estratégias da agenda contingente sobre o discurso do sujeito coletivo, para coleta e análise de dados de grupos vulneráveis, e para estratégias de enfrentamento à opressão; e por fim, contribuindo com a formulação de políticas públicas ligadas a demandas da educação linguística para a esperança social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

AMARAL, Kamilla O. do. Emergência de usos, variação e identidade: o caso de {-STE} na página Tal Qual Dublagens. Dissertação (Mestrado em Linguística). Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSC, Florianópolis, 2020.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BERG, R. DA S.; VOTRE, S. J. Análise de discursos de graduandos. Cadernos de Linguística, v. 1, n. 2, p. 01-14, 23 nov. 2020.

CEDERGREN, Henrietta J.; SANKOFF, David. Variable Rules: Performance as a Statistical Reflection of Competence. Language, vol. 50, n. 2, 1974, p. 333-355.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília, UnB, 2016.

GT de Sociolinguística da ANPOLL, 35 anos depois: reflexões e cenários? Painel temático apresentado por MACHADO VIEIRA; Marcia dos Santos; VANDRESEN, Paulino; VOTRE, Sebastião Josué; WIEDEMER, Marcos Luiz. 1 vídeo (1h54min40s). Publicado pelo canal webTVUFRJ em: https://www.youtube.com/watch?v=twqavEdS8Vw&t=1835s. Acesso em 10 de janeiro de 2020.

LABOV, William. Language in the Inner City: Studies in the Black English Vernacular. Philadelphia: The University of Pennsylvania Press, 1972.

LABOV, William; FASHEL, David. Therapeutic discourse: Psychotherapy as conversation. New York: Academic Press, 1977.

LATOUR, Bruno. A esperança de pandora. Bauru, EDUSC, 2001.

LUNA FREIRE, Letícia de. Seguindo Bruno Latour: Notas para uma antropologia simétrica. In: Comum. Rio de Janeiro, v. 11, n. 26, p. 46-65, 2006.

MACHADO VIEIRA, Márcia dos Santos e Wiedemer, Marcos Luiz. Plano de trabalho do GT de sociolinguística, 2018/2020.

PICHETH, Sara; CASSANDRE, Marcio; THIOLLENT, Michel. Analisando a pesquisa-ação à luz dos princípios intervencionistas: um olhar comparativo. Educação, s3-s13, dez. 2016.

POGREBINSCHI, Thamy, Será o neopragmatismo pragmatista? Interpelando Richard Rorty. Novos estudos. CEBRAP, n. 74, São Paulo, 2006, p. 125-138.

RORTY, Richard. A filosofia e o espelho da natureza. Rio de Janeiro, Relume Dumará, 2002.

ROUSSEAU, P.; SANKOFF, David. Advances in variable rule methodology. In: ROUSSEAU, P.; SANKOFF, D. (Orgs) Linguistic variation: models and methods. New York: Academic Press. 1978. p. 57-69.

RORTY, Richard. Contingência, ironia e solidariedade. Lisboa, Presença, 2005.

RORTY, Richard. Philosophy and Social Hope, Penguin Books, 2000.

SILVA, Daniel N.; LEE, Jerry W. “Marielle, presente”: Metaleptic temporality and the enregisterment of hope in Rio de Janeiro. Journal Sociolinguistics. 2020, p. 1-19.

STOER, Stephen; MAGALHÃES, António; RODRIGUES, David. Os lugares da exclusão social: um dispositivo de diferenciação pedagógica. São Paulo, Cortez, 2004.

VALLE, Carla R. M. Multifuncionalidade, mudança e variação de marcadores discursivos derivados de verbos cognitivos: forças semântico-pragmáticas, estilísticas e identitárias em competição. 2014. 415 f. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

VALLE, Carla R. M.; GÖRSKI, Edair M. A entrevista sociolinguística como lócus de significados socioestilísticos: categorias macrossociológicas, identidade local e individual. Domínios de Lingu@gem | Uberlândia | vol. 13, n. 3 | jul. - set. 2019. v. 13 n. 3 (2019): Número atemático.

VOTRE, Sebastião. Análise do discurso. São Paulo, PARÁBOLA, 2019.

VOTRE, Sebastião. 2020. Entrevista a Working Papers in Linguistics. Working Papers in Linguistics, 21(1): 8-16, Florianópolis, jan./jul., 2020.

Downloads

Publicado

2021-09-27

Como Citar

Votre, S. J. (2021). Reinventando o imaginário e as representações sociais: em favor de uma Sociolinguística da esperança. Revista Da Anpoll, 52(esp), 230–248. https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52iesp.1594

Edição

Seção

GT de Sociolinguística, 35 anos depois: reflexões e cenários