Questões teóricas e metodológicas

as contribuições do eixo 4

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52iesp.1592

Palavras-chave:

Variação, Sociolinguística Variacionista, Modelos Baseados no Uso, Interfaces

Resumo

Neste artigo retomamos os objetivos e metas colocados no âmbito do eixo “Questões Teóricas e Metodológicas” para o estudo da variação e mudança linguística e destacamos suas contribuições no que tange à interface entre a Sociolinguística Variacionista e outros modelos teóricos. Ilustramos as questões que permeiam pesquisas desenvolvidas neste eixo, discutindo a forma como a variação sociolinguística, entendida em termos de alternância entre formas, pode ou tem sido analisada na perspectiva de diferentes modelos teóricos. Concentramos nossa atenção na interface com os Modelos Baseados no Uso, e mais particularmente, na possibilidade de conjugação entre os pressupostos teóricos centrais da Sociolinguística Variacionista e da Gramática de Construções Cognitiva. Partimos do princípio de que qualquer diálogo entre a Sociolinguística e outras teorias implica a incorporação do componente social da linguagem em um modelo de gramática. Retomando alguns pressupostos centrais dos Modelos Baseados no Uso (GCBU), procuramos mostrar a forma como a variação sociolinguística tem sido compatibilizada com as perspectivas que partem do pressuposto de indissociabilidade entre sistema e uso linguístico. Destacamos a forma como a alternância de construções tem sido acomodada no corpo teórico da UBCG.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Referências

AARTS, B. Syntactic Gradience. Oxford: University Press. 2007.

ABRAÇADO, J. Variação e cognição. In: MARTINS, M.; ABRAÇADO, J. Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, p. 287-298, 2015.

ALMEIDA, M. C. S.; GOMES, C. A. Variação linguística e emergência de padrões morfológicos: um estudo sobre o plural das palavras terminadas em -ão. Web-Revista Sociodialeto, v. 6, p. 815-841, 2016.

BRANDÃO, S. F. GT de Sociolinguística. Revista da ANPOLL, n. 1, p. 95-102, 1995.

BRESCANCINI, C. R.; MONARETTO, V. N. de O. Prefácio. In: MACHADO, M dos S.; WEIDEMER, M. L. Dimensões e experiências em Sociolinguística. São Paulo, Editora Edgard Blücher Ltda, p. 13-16, 2019.

BRESCANICI, C. R.; FOULKES, P. (orgs). Letras De Hoje, v. 1, n. 52.

BRESCANCINI, C. R.; MONARETTO, V. N. de O. Prefácio. In: MACHADO, M dos S.; WEIDEMER, M. L. Dimensões e experiências em Sociolinguística. São Paulo, Editora Edgard Blücher Ltda, p. 13-16, 2019.

BYBEE, J. Phonology and language use. Cambridge University Press: Cambridge, 2001.

BYBEE, J. Language, Usage and Cognition. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

CAPPELLE, B. Particle placement and the case for “allostructions”. Constructions. Special Volume 1, p. 1-28, 2006.

CAPELLE, B. Can we factor out free choice? In: In: DUFTER, A.; FLEISCHER, J.; SEILER, G. Describing and Modeling Variation in Grammar. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, 2009 p. 183-199.

CHAFE, W. Discourse, Consciousness, and Time: The Flow and Displacement of Conscious Experience in Speaking and Writing. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

CLARK, L. Variation, Change and the Usage-based Approach. Tese de doutorado. University of Edinburgh, 2008.

CRISTÓFARO SILVA, T.; GOMES, C. A. Representações múltiplas e organização do componente fonológico. Fórum Linguístico, v. 4, n.1, p.147-177, 2004.

CRISTOFARO SILVA, T.; GOMES, C. A. Representações múltiplas e Organização do componente linguístico. In: GOMES, C. A. Fonologia na perspectiva dos modelos de exemplares. São Paulo: Contexto, 2020.

CROFT, W. Radical construction grammar: Syntactic Theory in Typological Perspective. Oxford: Oxford. University Press, 2001.

DE VAERE, H.; KOLKMANN, J.; BELLIGH, T. Allostructions revisited. Journal of Pragmatics, n. 170, p. 96-111, 2020.

DIESSEl, H. The Grammar Network: How Linguistic Structure is Shaped by Language Use. Cambridge: Cambridge University Press.2019.

DUARTE, M. E. L. A Sociolinguística “paramétrica”: desfazendo alguns equívocos. Guavira, v. 15, n. 31, p. 124-140, 2019.

DURKHEIM, É. As formas elementares de vida religiosa. São Paulo, Edições Paulina, 1989.

ECKERT, P. Jocks and burnouts: social categories and identity in the high School. New York/ London: Teachers College Press, 1989.

ESTEVES, G. A. T. Construções com DAR + sintagma nominal: a gramaticalização desse verbo e a alternância entre perífrases verbo-nominais e predicadores simples. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008.

FREITAG, R. M. Ko.; OUSHIRO, L. Sociolinguística no Brasil: deslocamentos e fronteiras. Domínios de Lingu@gem 13(4), p. 1324-1329, 2019.

FREITAG, R. M. Ko. Problemas teórico-metodológicos para o estudo da variação linguística nos níveis gramaticais mais altos. Matraga, v. l. 16, n. 24, 2009.

GIVÓN, T. On understanding grammar. New York: Academic Press, 1979a.

GIVÓN, T. From discourse to syntax: grammar as a processing strategy. In: GIVÓN, Talmy (Ed.). Syntax and semantics 12: discourse and syntax. New York: Academic Press, 1979b. p. 81-112.

GOLDBERG, A. Constructions. A construction Grammar Approach to Argument Structure. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

GOLDBERG, A. Constructions at Work: The Nature of Generalization in Language. Oxford: Oxford University Press, 2006.

GOMES, C. A. (org.) Fonologia na perspectiva dos modelos de exemplares. São Paulo: Contexto, 2020.

GOMES, C. A.; BRESCANCINI, C. R.; MONARETTO, V. O. Variação sonora. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (Orgs.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, p. 199-220, 2015.

GÖRSKI, E. M.; TAVARES, M. A. Reflexões teórico-metodológicas a respeito de uma interface sociofuncionalista. Revista do GELNE, v. 15, n. 1/2, p. 79-101, 16 mar. 2016.

HEINE, B. Grammaticalization. In: JOSEPH, B. D.; JANDA, R. D. The handbook of historical linguistics. Blackwell handbooks in linguistics. Oxford/Malden, MA: Blackwell Publishing, p. 575-601.

HILPERT, M. Construction grammar and its application to English. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2014.

HOPPER, P. Emergent grammar. Berkeley Linguistic Society, vol. 13, p.139-15, 1987.

HOPPER, P. On some principles of grammaticalization. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. Approaches to grammaticalization: focus on theorethical and methodological issues, Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 1991, p. 2-35.

HOPPER, P.; Elizabeth C. Grammaticalisation. 2nd ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

JOHNSON, K.; MULLENIX, J. W. Complex Representation used in speech perception. In: JOHNSON, K.; MULLENIX, John W. (Ed.) Talker variability without in speech perception. San Diego: Academic Press, 1997, p. 1-8.

LABOV, W. Sociolinguistic patterns. Pennsylvania, University of Pennsylvania Press, 1972.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: Internal Factors. Oxford: Wiley-Blackwell, 1994.

LABOV, W. Principles of Linguistic Change: Social Factors. Oxford: Wiley- Blackwell, 2001.

LABOV, W. The cognitive capacities of the sociolinguistic monitor. Paper presented at the 17th Sociolinguistic Symposium, Amsterdam. 2006.

LANGACKER, R. W. Foundations of Cognitive Grammar; descriptive application (volume 2). Stanford: Stanford University Press, 1987.

LANGACKER, R. W. Concept, image and symbol: the cognitive basis of grammar. Berlin: Mouton de Gruyter, 1991.

LEINO, J.; ÖSTMAN, J. Constructions and variability. In.: FRIED, M.; BOAS. H. C. Grammatical Constructions: back to the roots. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company. (Constructional Approaches to Language), 2005. p. 192-213.

LOIOLA, R. L. Construções de aspecto terminativo e cessativo no português brasileiro. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2018.

MACHADO VIEIRA, M. dos S. Variação e mudança na descrição construcional: complexos verbo-nominais. LinguíStica. Volume Especial, p. 152-170, 2016.

MACHADO VIEIRA, M. dos S. Expressões impessoais no discurso acadêmico brasileiro. Letrônica – Revista Digital do Programa de Pós-graduação em Letras da PUCRS, v. 10, n. 1, p. 82-95, 2017.

MACHADO VIEIRA, M. dos S.; WIEDEMER, M. L. A variação no modelo construcionista da Linguística Funcional-Cognitiva. In: BRESCANCINI, C. R.; MONARETTO, V. N. O. (orgs.). Sociolinguística no Brasil: textos selecionados. Porto Alegre: Editora da PUCRS, 2020, p. 265-304.

MACHADO VIEIRA, M. dos S.; WIEDEMER, M. L. Sociolinguística variacionista e gramática de construções: os desafios e as perspectivas de compatibilização. In: MACHADO VIEIRA, M. dos S; WIEDEMER, M. L. (Orgs). Dimensões e experiências em Sociolinguística. CIDADE: Editora Edgar Blucher Ltda, 2019, p. 85-220.

MARTINS, M. A.; COELHO, I. L.; CAVALCANTE, S. R. OLIVEIRA. Variação sintática e gerativismo. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, p. 221-248, 2015.

MARTINS, M. A..; BERLINCK, R.; ABRAÇADO, J. Questões teóricas e metodológicas para o estudo da variação e mudança linguísticas: estado da arte e perspectivas futuras. Comunicação apresentada em mesa-redonda no Encontro Intermediário do GT de Sociolinguística: IIEIGTS, Rio de Janeiro, UFRJ, 2019.

LOPES DE MELO, M. A. S. Direcionalidade da mudança sonora: o papel do item lexical e da avaliação social. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2017.

OLIVEIRA, M. R.; ARENA, A. B. O viés funcional do pareamento simbólico função < > forma na abordagem construcional da gramática. Soletras, n. 37, p. 30-58, 2019.

OLIVEIRA, D. L. O tratamento da variação em gramática de Construções baseada no uso: a propósito das Construções clivadas em português brasileiro. Diadorim, v.21, n. 2, p. 62-82, 2019

OUSHIRO, L. Conceitos de identidade e métodos para seu estudo na Sociolinguística. Estudos Linguísticos e Literários 63, p. 304-325, 2019.

PAIVA, M. da C. de. Ordenação de cláusulas causais: forma e função. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1991.

PAIVA, M. da C. de; OLIVEIRA, B. A. 2020. Y a -t- il une place pour la variation dans la grammaire de construction cognitive? le cas de la construction [por sn de x]. Gragoatá. Niterói, v.25, n. 52, p. 879-909, 2020.

PAREDES SILVA. Cartas cariocas: a variação do sujeito na escrita informal. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1988.

PEREK, F. Argument Structure in Usage-Based Construction grammar: experimental and corpus-based perspectives. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2015.

PIERREHUMBERT, J. Exemplar dynamics: Word frequency, lenition and contrast. In: BYBEE, J.; HOPPER, P. (Ed.) Frequency effects and the emergence of linguistic structure. Amsterdam: John Benjamins, 2001. p. 1-19.

RAMOS, J M.; MENON, O P. Variação e gramaticalização. In: MARTINS, M A; ABRAÇADO, J. Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, p. 271-286, 2015.

ROSA, F S; OLIVEIRA, M R. Competição interna na hierarquia construcional: um estudo do princípio da não sinonímia. Linguística, v. 16, n.2, p.22-49. 2020.

SCHERRE, M. M. P. Paralelismo linguístico. Revista de Estudos Linguísticos, v.7, n. 2, p. 29-59, 1998

SILVA, A. S. de. Integrando a variação social e métodos quantitativos na investigação sobre linguagem e cognição: para uma sociolinguística cognitiva do português europeu e brasileiro. Revista de Estudos Linguísticos, v. 16, n. 1, Belo Horizonte, jan./jun. 2008, p. 49-81.

TARALLO, F.; KATO, M. A. Harmonia trans-sistêmica: variação intra- e interlingüística. Preedição 5, Campinas: Unicamp, p. 315-353, 1989. [Artigo reimpresso em Diadorim, Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas da UFRJ, v. 2, p. 13-42, 2006].

SILVA, A. S. de. Integrando a variação social e métodos quantitativos na investigação sobre linguagem e cognição: para uma sociolinguística cognitiva do português europeu e brasileiro. Revista de Estudos Linguísticos, v. 16, n. 1, Belo Horizonte, jan./jun. 2008, p. 49-81.

TAVARES, M. A. Sociofuncionalismo: um duplo olhar sobre a variação e a mudança linguística. Revista de Estudos Linguísticos e literários, v. 17, ano VIII, Edição Especial ABRALIN Sergipe, p. 75- 97 2013.

TAVARES, M. A.; GÖRSKI; E. M. Variação e sociofuncionalismo. In: MARTINS, M.A.; ABRAÇADO, J. Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015, p. 249-270.

TAYLOR, J. R. Cognitive grammar. Oxford: Oxford University Press, 2002.

TRAUGOTT, Elizabeth C. Grammaticalization, constructions and the incremental development of language: Suggestions from the development of degree modifiers in English. In: ECKARDT, Regine Jäger; VEENSTRA, Tonjes (Eds). Probing the Evolutionary Model of Language Change. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, 2008. p. 219-250.

TRAUGOTT, E. C.; TROUSDALE, G. Constructionalization and Constructional Changes. Oxford: Oxford University Press, 2013.

TRAUGOTT, E. C. Modelling language change with constructional networks. In: PONS BORDERÍA, S.; LOUREDA LAMAS, Ó. (eds.), Beyond grammaticalization and discourse markers: new issues in the study of language change. Studies in Pragmatics; v. 18, p. 17-50, 2018.

UHRIG, P. Why the Principle of No Synonymy is overrated. Zeitschrift für Anglistik und Amerikanistik, 63 (3), p. 323-337, 2015.

WEINREICH, U.; LABOV, W; HERZOG, M. Empirical Foundations for a Theory of Language Change”. In: LEHMANN, W.; MALKIEL, Y. (orgs.). Directions for Historical Linguistics. Austin: University of Texas Press, 1968, p. 97-195.

WIEDEMER, M. L.; MACHADO VIEIRA, M. dos S. Sociolinguística e Gramática de Construções: o envelope da variação. In.: FRANCESCHINI, L.T.; LOREGIAN-PENKAL, L. Sociolinguística: estudos de variação, mudança e atitudes linguísticas. Guarapuava: UNICENTRO, 2018, p. 41-77.

Downloads

Publicado

2021-09-27

Como Citar

Paiva, M. da C. de, & Abraçado, J. (2021). Questões teóricas e metodológicas: as contribuições do eixo 4. Revista Da Anpoll, 52(esp), 198–215. https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52iesp.1592

Edição

Seção

GT de Sociolinguística, 35 anos depois: reflexões e cenários