Questões teórico-metodológicas da Sociolinguística em interface com o Gerativismo e Funcionalismo linguísticos e o ensino de Língua Portuguesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52iesp.1591

Palavras-chave:

Interfaces, Sociolinguística Paramétrica, Competição de Gramáticas, Sociofuncionalismo, Ensino

Resumo

Apresentamos neste artigo (i) um panorama das abordagens e dos estudos no GT de Sociolinguística da ANPOLL em interfaces entre a Teoria da Variação e Mudança e o Gerativismo e entre a Teoria da Variação e Mudança e o Funcionalismo (especialmente o de vertente norte-americana), bem como (ii) algumas dessas articulações para o ensino de português. No que diz respeito a questões teórico-metodológicas da interface com o gerativismo, mostramos que os estudos apresentam duas fases que não se sobrepõem, mas definem questões de pesquisa e abordagem da variação e mudança sob diferentes perspectivas analíticas: a Sociolinguística Paramétrica e a Competição de Gramáticas. Sobre a interface com o funcionalismo, mostramos que o tratamento teórico-metodológico teve sua fase inicial centrada em condicionadores funcionais de fenômenos variáveis, expandindo-se para uma fase de articulação entre Gramaticalização e Variação em diferentes níveis da gramática. Buscamos mostrar que os estudos em interface não só têm propiciado discussões sobre questões teórico-metodológicas no estudo da variação e mudança linguística, mas também têm trazido a público resultados de estudos sobre fenômenos morfossintáticos, sintáticos e discursivos do português que têm ganhado terreno nas discussões sobre ensino de língua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Edair Maria Görski , Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

É mestra (1985) e doutora (1994) em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é professora adjunta IV (aposentada/voluntária), atuando no Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal e Santa Catarina (UFSC), nas áreas de Sociolinguística e Dialetologia e Teoria Linguística. É integrante do Núcleo Interinstitucional de Pesquisa VARSUL. Campos de interesse: sociofuncionalismo, gramaticalização, variação e mudança linguística, significado social e estilístico, ensino.

Marco Antonio Rocha Martins, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

É Professor Associado II do Departamento de Língua e Literatura Vernáculas da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e pesquisador PQ-2 do CNPq; Mestre (2005) e Doutor (2009) em Linguística pela UFSC com estágio de pós-doutoramento na Universität zu Köln/Alemanha (2019). Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFSC (biênio 2016-2018), presidente do GELNE (biênios 2010-2012 e 2012-2014), vice-presidente da ABRALIN (biênio 2011-2013), coordenador do GT de Sociolinguística da ANPOLL (biênios 2010-2012 e 2012-2014) e Editor-Chefe da Revista do GELNE (2014-2017). Coordena desde 2017, com Izete Lehmkuhl Coelho e Paulo Osório, o Projeto História do Português brasileiro – da Europa até a América da Associação de Linguística e Filologia da América Latina ALFAL.

Referências

ABRAÇADO, J.; RONCARATI, C. (Orgs.) Português brasileiro: contato linguístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003.

ABRAÇADO, J.; RONCARATI, C. (Orgs.) Português brasileiro: contato linguístico, heterogeneidade e história II. Niterói/RJ: FAPERJ/EdUFF, 2008.

BERLINCK, R. A.; COELHO, I. L. A ordem do sujeito em construções declarativas na história do português brasileiro. In: CYRINO, S.; TORRES MORAIS, M. A. (Orgs.). Mudança sintática do português brasileiro: perspectiva gerativista. 1ed. São Paulo: Contexto, 2018, v. 4, p. 308-381.

BERLINCK, R. A.; COELHO, I. L.; CYRINO, S.; DUARTE, M. E. L.; MARTINS, M. Mudança sintática e a história do português brasileiro nos séculos XIX e XX. In: ARAÚJO SÁ JÚNIOR, L.; MARTINS, M. A. (Orgs.). Rumos da Linguística Brasileira no século XXI: historiografia, gramática e ensino. 1ed. São Paulo: Blucher, 2016, v. 1, p. 155-188.

BERLINCK, R. A.; BIAZOLLI, C. C.; BALSALOBRE, S. R. G. Gêneros do jornal e estilo: (re)visitando a variação linguística. In: GÖRSKI, E. M.; COELHO, I. L.; NUNES DE SOUZA, C. M. (Orgs.). Variação estilística: reflexões teórico-metodológicas e propostas de análise. 1ed. Florianópolis: Insular, 2014, p. 261-279.

BERLINCK, R de A. A ordem V SN no português do Brasil: sincronia e diacronia. 1988. 265f. Dissertação (Mestrado em linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1988.

BERLINCK. R. de A. A construção V SN no português do Brasil: uma visão diacrônica do fenômeno da ordem. In: TARALLO, F. (Org.). Fotografias sociolingüísticas. São Paulo: Pontes, 1989. p. 95-112.

BERLINCK, R. de A. La position du sujet en portugais: étude diachronique des variétés brésilienne et européene. 1995. Tese (Doutorado em Linguística) – Katholieke Universiteit Leuven, Belgium, 1995.

BERLINCK, R. de A. Brazilian Portuguese VS Order: a diachronic analysis. In: KATO, M.A.; NEGRÃO, E.V. (Eds.). Brazilian Portuguese and the null subject parameter. Madrid: Iberoamericana; Frankfurt: Vervuert, 2000. p. 175-194.

BRAGA, M. L. A concordância de número do sintagma nominal no Triângulo Mineiro. 1977. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) Rio de Janeiro: PUC, 1978.

BRAGANÇA, M. L. L. Uma proposta de articulação teórico-metodológica entre os campos variacionista, funcionalista e dialógico para o tratamento de variação/mudança: reflexões a partir da expressão do futuro do presente. 2017. 696 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

CAVALCANTE, S. R. O. Revisitando as construções com SE na história do Português Brasileiro. In: CYRINO, S.; TORRES DE MORAIS, M. A. (Orgs.). Mudança sintática do português: perspectiva gerativista. 1ed. São Paulo: Contexto, 2018, v. VI, p. 382-419.

CAVALCANTE, S. R. O. O uso de SE com infinitivo na história do Português: do Português Clássico ao Português Europeu e Brasileiro modernos. 2006. 227f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

CAVALCANTE, S. R. O. Padrões estatísticos do encaixamento da mudança de SE-passivo a SE-indefinido na história do português. Alfa: Revista de Linguística (UNESP. São José do Rio Preto. Impresso), n. 55, v.2, p. 523-544, 2011.

CAVALCANTE, S.; DUARTE, M. E. L.; PAGOTTO, E. Clíticos no século XIX: uma questão de posição social? In: CALLOU, D.; BARBOSA, A. (Orgs.). A norma brasileira em construção: cartas a Rui Barbosa (1866 a 1899). Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2011, p. 167-218.

COELHO, I. L. A ordem V DP em construções monoargumentais: uma restrição sintático-semântica. 2000. 259f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

COELHO, I. L. Variação na sintaxe: estudo da ordem do sujeito no PB. In: RAMOS, J. (Org.). Estudos sociolinguísticos: quatro vértices do GT da ANPOLL. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2006. p. 84-99.

CYRINO, S. O objeto nulo no português do Brasil: um estudo sintático-diacrônico. 1994. 227f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1994.

CYRINO, S. O objeto nulo no português do Brasil: um estudo sintático-diacrônico. Londrina: Ed. da UEL, 1997.

DÃO, S.F. GT de Sociolinguística. Revista da ANPOLL 1, p. 95-102, 1995.

DIAS, V. de C. A indeterminação do sujeito em textos baianos dos séculos XIX e XX: um estudo sociofuncionalista. 2017, 229f. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

DILLINGER, M. Forma e função na linguística. In: D.E.L.T.A., v. 7, n. 1, p. 395-407, 1991.

DUARTE, M. E. L. Variação nas funções acusativa, dativa e reflexiva. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (Orgs.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. 1ed. São Paulo: Contexto, 2015, p. 173-195.

DUARTE, M. E. L. O papel da linguística na evolução dos estudos gramaticais no Brasil. In: ARAÚJO SÁ JR, L.; MARTINS, M. A. (Orgs.). Rumos da Linguística Brasileira no Século XXI: historiografia, gramática e ensino. 1ed. São Paulo: Blucher Ed., 2016, p. 19-42.

DUARTE, M. E. L. Clítico acusativo, pronome lexical e categoria vazia no português do Brasil. In: TARALLO, F. (Org.) Fotografias sociolinguísticas. Campinas: Pontes, 1989, 19-34.

DUARTE, M. E. L. Variação e sintaxe: clítico acusativo, pronome lexical e categoria vazia no português do Brasil. 1986, 73f. Dissertação (Mestrado em Linguística), PUC-SP, São Paulo, 1986.

DUARTE, M. E. L. A perda do princípio “Evite Pronome” no português brasileiro. 1995, 151f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1995.

DUARTE, M. E. L. O papel da sociolinguística na descrição da gramática da escrita contemporânea. In: MARTINS, M. A.; TAVARES, M. A. (Orgs.). Contribuições da Sociolinguística e da Linguística Histórica para o ensino de língua portuguesa. Natal: Ed. da UFRN, 2013b, p. 117-143.

DUARTE, M. E. L. (Org.). O sujeito em peças de teatro (1833-1992): estudos diacrônicos. São Paulo: Parábola editorial, 2012a.

DUARTE, M. E. L. Sobre o ensino da gramática nos níveis Fundamental e Médio: por que, quando e como? Revista Matraga, v. 19, n. 30, p. 41-60, 2012.

DUARTE, M. E. L. O papel da Sociolinguística no (re)conhecimento do português brasileiro Revista LETRAS, UFRJ, v. 1, p. 15-30, meio digital, 2013.

DUARTE, M. E. L. O sujeito nulo no português brasileiro. In: CYRINO, S; TORRES-MORAIS, M. A. (Orgs.). Mudança sintática do português brasileiro: perspectiva gerativista. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2018, v. 1, p. 26-71.

FREIRE, G. C; VIEIRA, S. R. Variação morfossintática e ensino de português. In: MARTINS, M. A.; TAVARES, M. A.; VIEIRA, S. R. (Orgs.). Ensino de Português e Sociolinguística. 1ed. São Paulo: Contexto, 2014, p. 07-169.

FREIRE, G. C; DUARTE, M. E. L. Como a escrita padrão recupera formas em extinção e implementa formas inovadoras. In: PAIVA, M. C.; GOMES, C. A. (Orgs.). Dinâmica da Variação e da Mudança na Fala e na Escrita. 1ed. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2014, p. 9-168.

FREIRE, G. C. Clíticos acusativo e dativo no ensino de língua padrão. In: PALOMANES, R.; BRAVIN, A. M. (Orgs.). Práticas de Ensino do Português. 1ed. São Paulo: Contexto, 2012, p. 91-109.

FREITAG, R. M. K. A expressão do passado imperfectivo no português: variação/gramaticalização e mudança. 2007, 238f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

FREITAG, R. M. K. Dissecando a entrevista sociolinguística: estilo, sequência discursiva e tópico. In: GÖRSKI, E. M.; COELHO, I. L. NUNES DE SOUZA, C. M. (Orgs.). Variação estilística: reflexões teórico-metodológicas e propostas de análise. 1ed. Florianópolis: Insular, 2014, v. 1, p. 125-141.

GALVES, C.; KATO, M. A.; ROBERTS, I. (Orgs.). Português Brasileiro: uma segunda viagem diacrônica. 1 ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2019.

GÖRSKI, E.; TAVARES, M. A. O objeto de estudo na interface variação gramaticalização. In: BAGNO, M.; CASSEB-GALVÃO, V.; REZENDE, T. F. (Orgs.). Dinâmicas funcionais da mudança linguística. São Paulo: Parábola, 2017, p. 35-63.

GÖRSKI, E. M.; SIQUEIRA, M. A. Para além da questão: (não) ensinar gramática? Working Papers em Linguística – Gramática & escola, v. 18, n. 2, p. 25-49, 2017.

GÖRSKI, E. M.; OLIVEIRA, L. C.; PIMPÃO, T. S. Do discurso para a gramática, da gramática para o discurso: uma entrevista com Sebastião Josué Votre. Working Papers em Linguística, v. 21, n. 1, p. 08-16, 2020.

KATO, M. A.; ROBERTS, I. (Orgs.). Português Brasileiro: uma viagem diacrônica. 2 ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993.

KATO, M. A. Os frutos de um projeto herético: parâmetros na variação intra-linguistica. In: DA HORA, D.; CHRISTIANO, E. (Orgs.) Estudos Lingüísticos: realidade brasileira. João Pessoa: Idéia, 1999. p. 95-106.

KROCH, A. Syntactic Change. In. BALTIN, M; COLLINS, C. (Eds.). The handbook of contemporary syntactic theory. Massachusetts. USA: Blackwell, 2001, p. 699-729.

KROCH, A. Reflexes of Grammar in Patterns of Language Change. Language Variation and Change, 1, p. 199-244, 1989.

LANGA-LACERDA, M.; GÖRSKI, E. Potencial analítico dos gêneros do discurso para os estudos variacionistas. Alfa: Revista de Linguística. [a sair]

LOPES, C. R. S. Retratos da variação entre "você" e "tu" no português do Brasil: sincronia e diacronia. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (Orgs.). Português Brasileiro II - contato lingüístico, heterogeneidade e história. 1ed. Niterói: EDUFF, 2008, p. 55-71.

MACEDO, A. T. de; RONCARATI, C.; MOLLICA, M. C. (Orgs.) Variação e discurso. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

MACHADO VIEIRA, M. dos S.; WIEDEMER, M. L. Sociolinguística variacionista e gramática de construções: os desafios e as perspectivas de compatibilização. In: MACHADO VIEIRA, M. dos S.; WIEDEMER, M. L. (Orgs.). Dimensões e experiências em Sociolinguística. São Paulo: Blucher, 2019, p. 85-120.

MARINS, J, E. O Parâmetro do Sujeito Nulo: uma analise contrastiva entre o português e o italiano. 2009, 126f. Dissertação (Mestrado em Letras (Letras Vernáculas)) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

MARINS, J, E. As repercussões da mudança na remarcação do sujeito nulo: um estudo diacrônico das sentenças existenciais no PB e no PE. 2013, 243f. Tese (Doutorado em Letras (Letras Vernáculas)) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

MARTINS, M. A. R; CAVALCANTE, S. R de O.; Coelho, I. L. Ordem do sujeito e colocação de clíticos na escrita brasileira dos séculos XIX e XX: reflexos da gramática do Português Brasileiro. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 62, p. 1-22, 2020.

MARTINS, M. A; VIEIRA, S. R.; TAVARES, M. A. Contribuições da Sociolinguística brasileira para o ensino de português. In: MARTINS, M. A; VIEIRA, S. R.; TAVARES, M. A. (Orgs.). Ensino de Português e Sociolinguística. 1ed. São Paulo: Contexto, 2014, p. 7-35.

MARTINS, M. A.; COELHO, I. L.; CAVALCANTE, S. R. de O. Variação sintática e gerativismo. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (Orgs.) Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015, p. 221-247.

MARTINS, M. A.; TAVARES, M. A. (Orgs.) Contribuições da Sociolinguística e da Linguística Histórica para o ensino de língua portuguesa. Natal, RN: EDUFRN, 2013.

MARTINS, M. A.; VIEIRA, S. R.; TAVARES, M. A. (Orgs.). Ensino de Português e Sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2014.

MARTINS, M. A. Estruturas obsoletas no Português Brasileiro e o ensino de gramática na escola. In: PEREIRA, R. C. M.; PEDROSA, J. L. R.; FERRAZ, M. M. T. (Orgs.). Letramentos em cena: teorias e vivências. 1ed. João Pessoa: Ideia, 2019, p. 189-212.

MARTINS, M. A. Em defesa do ensino de gramática. Revista do GELNE, v. 19, p. 103-117, 2017.

MARTINS, M. A. Competição de gramáticas do português na escrita catarinense dos séculos 19 e 20. 2009, 326f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

MARTINS, M. A. A sintaxe dos pronomes pessoais clíticos na história do português brasileiro. In: CYRINO, S.; TORRES MORAIS, M. A. (Orgs.). Mudança sintática do português brasileiro: perspectiva gerativista. 1ed. São Paulo: Contexto, 2018, v. IV, p. 150-209.

MASSARIOL, C. B.; YACOVENCO, L. C. A condição de distintividade na variação do sujeito pronominal de primeira pessoa do singular em cartas escritas por um capixaba. Revista (Con)Textos Linguísticos, Vitória, v. 14, n. 28, p. 473-491, 2020.

MENON, O. P. da S. O sistema pronominal do português. Revista Letras, Curitiba, n. 44, p. 91-106, 1995.

MOLLICA, M. C.; RONCARATI, C. Questões teórico-descritivas em sociolinguística aplicada e uma proposta de agenda. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 17, n. especial, p. 45-55, 2001.

MOLLICA, M. C. M. Estudo da cópia nas construções relativas em português. 1977, f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 1977.

NARO, A. J.; VOTRE, S. J. Mecanismos funcionais do uso da língua: função e forma. D.E.L.T.A., São Paulo, v.8, n.2, p. 285-290, 1992.

NARO. A.; BRAGA, M. L. A interface sociolinguística/gramaticalização. Gragoatá, n. 9, p. 125-134, 2000.

NASCIMENTO, M. do. Teoria gramatical e mecanismos funcionais do uso da língua. In: D.E.L.T.A., São Paulo, v. 6, n. 1, p. 83-98, 1990.

OMENA, N. P. de. Pronome pessoal de terceira pessoa: suas formas variantes em função acusativa. 1978, 138f. Dissertação (Mestrado em Língua Portuguesa) – Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 1978.

PAIVA, M. da C. A. de. Ordenação de cláusulas causais: forma e função. 1991, 238f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1991.

PAREDES DA SILVA, V. L. Cartas cariocas: a variação do sujeito na escrita informal. 1988, 330f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1988.

PIMPÃO, T. S. Uso variável do presente no modo subjuntivo: uma análise de amostras de fala e escrita das cidades de Florianópolis e Lages nos séculos XIX e XX. 2012, 303f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

POPLACK, S. Grammaticalization and linguistic variation. In: NARROG, H.; HEINE, B. (Eds.). The Oxford handbook of grammaticalization. Oxford: Oxford University Press, 2011, p. 209-224.

RAMOS, J. M.; MENON, O. P. Variação e gramaticalização. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (Orgs.) Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015, p. 271-285.

ROCHA, W. J. C.; SOUSA, V. V. A alternância entre você e cê no sertão da ressaca: um estudo sob as lentes do sociofuncionalismo. Revista do GELNE, Natal/RN, v. 22, número 1, p. 203-214, 2020.

ROST SNICHELOTTO, C. A. “Olha” e “vê”: caminhos que se entrecruzam. 2009, 408f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

SAVEDRA, M. G. Estudos e pesquisas em sociolinguística no contexto plurilíngue do Brasil. Revista da ANPOLL. n. 29. p. 219-234, 2010.

SILVA, G. M. O e S.; MACEDO, Alzira. Análise sociolingüística de alguns marcadores conversacionais. In: MACEDO, A.; RONCARATI, C.; MOLLICA, M. C. (Orgs.). Variação e discurso. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p. 11-49, 1989.

SOARES DA SILVA, H. O Parâmetro do sujeito nulo: confronto entre o português e o espanhol. 2006. 117f. Dissertação (Mestrado em Letras – Letras Vernáculas) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

SOARES DA SILVA, H. Evidências da mudança em dados da Língua-E: o sujeito pronominal no português e no espanhol. 2011, 151f. Tese (Doutorado em Letras (Letras Vernáculas)) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011.

TARALLO, F.; KATO, M. A. Harmonia trans-sistêmica: variação inter e intralingüística. In: Preedição, Campinas, n. 5, p. 315-353, 1989.

TARALLO, F. Diagnosticando uma gramática brasileira: o português d’aquém-mar e d’além-mar ao final do século XIX. In: ROBERTS, I; KATO, M. (Orgs.). Português brasileiro: uma viagem diacrônica. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 1993, p.12-42.

TARALLO, F. Zelig: um camaleão lingüista. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 2, n. 1, p. 127-144, 1986.

TARALLO, F. Por uma Sociolinguística Românica “Paramétrica”: Fonologia e Sintaxe. Ensaios de Linguística, UFMG, v. 13, p. 51-84, 1987.

TARALLO, F. Uma estória muito mal contada. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 2, n. 4, p. 265-272, 1988.

TAVARES, M. A. Um estudo variacionista de AÍ, DAÍ, ENTÃO e E como conectores sequenciadores retroativo-propulsores na fala de Florianópolis. 1999. 175f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1999.

TAVARES, M. A. A gramaticalização de E, AÍ, DAÍ, e ENTÃO: estratificação/variação e mudança no domínio funcional da sequenciação retroativo-propulsora de informações – um estudo sociofuncionalista. 2003, 286f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

TAVARES, M. A.; GÖRSKI, E. M. Variação e sociofuncionalismo. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (Org.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 249-270.

TAVARES, M. A.; GÖRSKI, E. M. Sociofuncionalismo: da teoria à prática pedagógica. In: SILVA, C. R.; HORA, D, da; CRISTIANO, M. E. (Orgs.) Lingüística e práticas pedagógicas. Santa Maria: Pallotti, 2006. p. 127-148.

TAVARES, M. A.; GÖRSKI, E. M. Experienciando a multiplicidade lingüística: o ensino de língua portuguesa sob um olhar sociofuncionalista. II Encontro Nacional de Ciências da Linguagem Aplicadas ao Ensino (II ECLAE), 2003, João Pessoa - PB. In: Anais [...], João Pessoa/PB: Idéia, 2004. Disponível em: http://www.leffa.pro.br/tela4/Textos/Textos/Anais/ECLAE_II/experienciando a multiplicidade/direita.htm

TESCH, L. M. A expressão do tempo futuro no uso capixaba: variação e gramaticalização. 2011. Tese. 190 f. (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

TORRES CACOULLOS, Rena. Variation and grammaticalization. In: DÍAZ-CAMPOS, M. (Ed.). The handbook of Hispanic sociolinguistics. Oxford: Wiley-Blackwell, 2011, p. 148-167.

VALLE, C. R. M. Multifuncionalidade, mudança e variação de marcadores discursivos derivados de verbos cognitivos: forças semântico-pragmáticas, estilísticas e identitárias em competição. 2014, 415f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014.

VANDRESEN, P. A trajetória do GT de Sociolinguística da ANPOLL – 1985-2001. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (Orgs.) Português Brasileiro: contato linguístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003, p. 13-29.

VIEIRA, S. R. Variação estilística e ordem dos clíticos pronominais: a influência dos gêneros textuais e dos veículos jornalísticos. In: GÖRSKI, E. M.; COELHO, I. L.; NUNES DE SOUZA, C. M. (Orgs.). Variação estilística: reflexões teórico-metodológicas e propostas de análise. 1ed. Florianópolis: Insular, 2014, 2014, p. 281-301.

VOTRE, S. J.; NARO, A. J. Mecanismos funcionais do uso da língua. D.E.L.T.A., São Paulo, v.5, n.2, p. 169-184, 1989.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança lingüística. Tradução Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006 [1968].

WIEDEMER, M. L.; MACHADO VIEIRA, M. dos S. Sociolinguística e gramática de construções: o envelope da variação. In.: FRANCESCHINI, L. T.; LOREGIAN-PENKAL, L. (Orgs.) Sociolinguística: estudos de variação, mudança e atitudes linguísticas, 2018, p. 41-77.

ZILLES, A.M. S. Grammaticalization of “a gente” as a cluster of changes: evidence from apparent and real time studies. Fórum Linguístico, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 13-46, 2007.

Downloads

Publicado

2021-09-27

Como Citar

Görski , E. M., & Martins, M. A. R. (2021). Questões teórico-metodológicas da Sociolinguística em interface com o Gerativismo e Funcionalismo linguísticos e o ensino de Língua Portuguesa. Revista Da Anpoll, 52(esp), 173–197. https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52iesp.1591

Edição

Seção

GT de Sociolinguística, 35 anos depois: reflexões e cenários