Línguas em tradução

tempos, ritmos e vozes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i2.1563

Palavras-chave:

Tradução, Tempo, Ritmo, Escuta

Resumo

Entre línguas em tradução, a escuta do que nelas dá lugar ao estranho e ao equívoco que resiste à compreensão e reivindica sua opacidade faz dos estudos de tradução um território conceitual dominado pela metáfora e, de certa forma, produtor de saberes avessos a quantificações. Esse savoir-faire reivindica o risco de entrar no que se trama entre línguas e contar com o que nela se encena, e que exige um manejo dos tempos, uma marcação dos ritmos e uma disposição ao acaso, ao inaudito, ao improviso. Este trabalho apresenta-se como um pensar essa aproximação sempre cuidadosamente regulada entre línguas, pressupondo a escuta de vozes e silêncios que se entremeiam nesses nesses vãos, a cada vez, originais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Viviane Veras, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil

Possui graduação em Letras Português-Inglês pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1972), mestrado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (1989) e doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (1999). Atualmente é professora MS 3.2 do Departamento de Linguística Aplicada-IEL, Unicamp, na área de Tradução. Tem experiência em Teoria e Análise Linguística, Tradução e Psicanálise, Revisão e Preparação de textos, trabalhando principalmente com os seguintes temas: teorias e técnicas de tradução e interpretação, aquisição de linguagem (relação língua materna/língua estrangeira), linguagem e psicanálise.

Referências

BENJAMIN, Walter. A tarefa-renúncia do tradutor. Tradução de Susana Kampff Lages. In: BRANCO, Lucia Castello. (Org.). A tarefa do tradutor, de Walter Benjamin: quatro traduções para o português. Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2008, p. 66-81.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Vol. 1. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. Prefácio de Jeanne Marie Gagnebin. Tradução de Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985, p. 222-232.

BERMAN, Antoine. A prova do estrangeiro: cultura e tradução na Alemanha romântica – Herder, Goethe, Schlegel, Novalis, Humboldt, Schleiermacher, Hölderlin. Tradução de Maria Emília Chanut. Bauru: Edusc, 2002.

BLANCHOT, Maurice. Traduire. In: L’Amitié. Paris: Gallimard, 1971, p. 69-71.

BLANCHOT, Maurice. L’Entretien infini. Paris: Galimard, 1969.

CASSIN, Barbara. Éloge de la traduction – compliquer l’universel. Paris: Fayard, 2016.

CASSIN, Barbara. Acidente/Acidente de trânsito – de Aristóteles à TAC. Tradução de Viviane Veras. Revista Letras, Universidade Federal do Paraná, vol. 95, jan-jun, 2017, p. 203-216. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/letras/article/view/49236/32532. Acesso em: 12 jun. 2020.

CHOMSKY, Avram Noam. Aspectos da Teoria da Sintaxe. Tradução, introdução, notas e apêndices de José Antonio Meireles e Eduardo Paiva Raposo. Coimbra: Armênio Amado, 1975.

COLERIDGE, Samuel Taylor. Biographia Literaria. James Engell & Walter Jackson Bate, 2 vols. London and Princeton: Routledge & Kegan Paul and Princeton University Press, 1983.

DERRIDA, Jacques. Anne Dufourmantelle convida Jacques Derrida a falar da Hospitalidade. Tradução de Antonio Romane. São Paulo: Escuta, 2003.

DERRIDA, Jacques. O que é uma tradução “relevante”? Tradução de Olívia Niemeyer Santos. Alfa, v. 44, 2000, p. 13-44.

DERRIDA, Jacques. Posições. Tradução de Maria Margarida Barahona. Lisboa: Plátano, 1975.

FREUD, Sigmund. Os chistes e sua relação com o inconsciente [1905]. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas. Rio de Janeiro: Imago, v. VIII, 1980.

GALINDO, Caetano. O que não se pode dizer. Revista Versalete, Curitiba, vol.1 nº Zero, jan-jun., 2013, p. 327-342. Disponível em: http://www.revistaversalete.ufpr.br/edicoes/vol1-00/Texto26Galindo.pdf Acesso em: 15 out. 2021.

GLISSANT, Édouard. Introdução a uma poética da diversidade. Tradução de Enilce Albergaria Rocha. Juiz de Fora: UFJF, 2005.

HELLER-ROAZEN, Daniel. Ecolalias: sobre o esquecimento das línguas. Tradução de Fábio Durão. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.

MESCHONNIC, Henry. Poética do traduzir. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. São Paulo: Perspectiva, 2010.

NESTROVSKI, Arthur. Estado de escuta. Revista OSESP, Temporada 2016. Disponível em: http://www.osesp.art.br/upload/documentos/RevistaOsesp/Livro-Temporada2016.pdf . Acesso em: 12 jun. 2020.

PORGE, Erik. Voz do eco. Tradução de Viviane Veras. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

PORGE, Erik.. Transmitir a clínica psicanalítica: Freud, Lacan, hoje. Tradução de Viviane Veras (colab. P. S. Souza Júnior). Campinas: Editora da Unicamp, 2009a.

PORGE, Erik. O errar da metáfora. Tradução de Viviane Veras. In: LEITE, Nina; VORCARO, Angela. (Orgs.). Giros da transmissão em psicanálise: instituição, clínica e arte. Campinas: Mercados de Letras, 2009b, p. 13-42.

SISCAR, Marcos. Jacques Derrida: literatura, política e desconstrução. Campinas: Autores Associados, 2013.

VERAS, Viviane. Um elogio da tradução. In: ESTEVES, Lenita; VERAS, Viviane. (Orgs.). Vozes da tradução: éticas do traduzir. São Paulo: Humanitas, 2014.

VERAS, Viviane. Da loucura da tradução à tradução da loucura. In: TAVARES, Pedro Heliodoro; COSTA, Walter Carlos; PAULA, Marcelo Bueno. (Orgs.) Tradução e Psicanálise. Rio de Janeiro: 7 letras, 2013.

VERAS, Viviane. Verdade em tradução: um testemunho da dor das palavras. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v. 50, n. 2, p. 459-478, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-18132011000200014. Acesso em: 12 jun. 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-18

Como Citar

Veras, V. (2021). Línguas em tradução: tempos, ritmos e vozes . Revista Da Anpoll, 52(2), 262–274. https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i2.1563