Políticas linguísticas e a Educação Profissional e Tecnológica

Língua Portuguesa e Educação Humanizadora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i2.1561

Palavras-chave:

Políticas linguísticas, Educação Profissional e Tecnológica, Língua Portuguesa, Educação Humanizadora

Resumo

O artigo tem por objetivo discutir a respeito de políticas linguísticas relacionadas à Educação Profissional Tecnológica, ou seja, as diretrizes curriculares que fundamentam o ensino superior tecnológico, bem como apresentar uma proposta de educação humanizadora para o ensino de Língua Portuguesa. Essa investigação corresponde a uma pesquisa em estágio supervisionado de pós-doutorado, intitulada “Educação Profissional e Tecnológica e ensino de Língua Portuguesa (LP) em tempo de crise: perspectivas, interfaces e desafios para uma Educação Humanizadora. Na seção 1, apresenta-se a discussão a respeito dos paradigmas educacionais (FAZENDA et al., 2008; BRASIL, 2000; 2017) que nortearam o ensino de Língua Portuguesa no cenário tecnológico (Diretrizes Curriculares para a Educação Profissional e Tecnológica, a LDB/71, a LDB/2017, o Programa Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH). Na seção 2, a discussão se refere às políticas linguísticas (RAJAGOPALAN, 2003; 2013; LAGARES; 2018) para melhor elucidar uma concepção de educação linguística crítica no ensino de língua materna. Na seção 3, objetiva-se destacar uma proposta para uma Educação Humanizadora, no contexto do ensino superior tecnológico, com uma reformulação de matrizes curriculares de cursos tecnológicos para a Língua Portuguesa. A proposta é a reflexão sobre uma concepção de educação linguística crítica que se comprometa com a diversidade e a formação humana (BAKHTIN, 1992; FREIRE, 1987; 1992; 1997).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Rosana Helena Nunes, Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo, São Paulo, Brasil

Docente da Faculdade de Tecnologia do Estado de São Paulo (FATEC/SP), na área da linguagem. Licenciatura em Letras, português/inglês (Instituição de Ensino Ciências e Letras). Especialização em Lato Sensu na Universidade Sorocaba (UNISO). Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos de Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP. Doutorado em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP). Pós-doutorado em Educação pela Universidade de Campinas (UNICAMP/SP). É pós-doutoranda, na Universidade de Brasília (UnB), no Programa de Linguística, sob a supervisão do Prof. Kleber Silva. Foi docente do Ensino Fundamental II e Ensino Médio, em Língua Portuguesa, redes estadual e municipal de ensino. Professora formadora, na área de Códigos, Linguagens e suas Tecnologias, no Centro de Referência em Educação da Prefeitura de Sorocaba, 2010 a 2017. Docente do Curso de Letras, Licenciatura curta, 2002 a 2012, disciplinas de Linguística I, Linguística II, Sociolinguística e Psicolinguística. Docente do Curso de Pós-graduação na Universidade de Sorocaba (UNISO), em 2003 e, na Faculdade Unianchieta em Jundiaí, em 2019. Áreas de interesse: Linguística Aplicada Crítica, Educação linguística, Políticas linguísticas, Ensino de Língua Portuguesa como língua materna, Multimodalidade da Linguagem, etc.

Kleber Aparecido da Silva, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil

Kleber Aparecido da Silva é licenciado em Língua inglesa pela Universidade Federal de Ouro Preto. Mestre em Linguística Aplicada pela Universidade de Campinas. Doutor em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista. Realizou seus estudos de pós-doutoramento no Instituto de Estudos da Linguagem da UNICAMP, no Instituto de Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; em Linguística na Universidade Federal de Sana Catarina; e em Linguística Aplicada na Pennsylvania State University, USA. Atualmente, aprofunda seus estudos pós-doutorais em Estudos Linguísticos na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); em Didáticas das Línguas na Universidade De Genebra, Suíça e em Educação Multilíngue e Letramento na Universidade de Witwatersand, África do Sul. Além disso, em 2019 e 2020, foi Professor Visitante na no Departamento de Espanhol, Italiano e Português, na Pennsylvania State University, State College, Pennsylvania, USA. Em 2020, foi considerado Distinguished Professor no Centro de Pesquisa Avançada do Centro de Graduação, na City University of New York, USA. Atualmente, é professor associado 2 do Curso de Letras (Português do Brasil como Segunda Língua) e é pesquisador/professor do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade de Brasília e também do Programa de Pós-Graduação em Letras: Linguagens, Cultura e Linguagens na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e do Programa de Pós-Graduação em Letras na Universidade Federal de Tocantins (UFT). Seus principais campos de interesse encontra-se na ampla área da linguagem, decolonialidade, formação de professores/as e internacionalização, que também incluem gênero, raça e educação linguística; raça e colonialidade, linguagem, discurso e práticas identitárias; (multi)letramento e educação crítica na formação de professores; teorias e pedagogias críticas, bem como práticas decoloniais na produção do conhecimento. Atualmente, coordena o Grupo de pesquisa certificado pelo CNPq: ?Grupo de Estudos Críticos e Avançados da Linguagem? e faz parte do Projeto Nacional de Letramentos (Universidade de São Paulo, Brasil e IES do Brasil e do Canadá) e do Projeto de Educação Linguística Crítica para/no Sul Global (Universidade de Brasília, Brasil e IES do Sul Global), cujos interesses se interconectam com estudos da linguagem, cultura, educação e tecnologia. Além disso, coordena o Diretório de Linguagens, Direitos Humanos e Diversidades, da Fundação de Empreendimentos Científicos e Tecnológicos da Universidade de Brasília, Brasil, cujos interesses de pesquisa se conectam à linguagem, políticas linguísticas, direitos humanos, minorias marginalizadas, diversidades e tecnologias, em uma perspectiva crítica e decolonial. É pesquisador e orientador da Rede Idiomas Sem Fronteiras (MEC e UnB) na área de Inglês e de Português para Estrangeiros. É coordenador das séries ?Estudos Críticos em Linguagens? e "Linguística Aplicada" pela Mercado de Letras e ?Linguagens para/na Universidade? pela Editora Contexto. Foi laureado em 2016 com o prêmio de melhor dissertação orientada na área de Letras e Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da UnB; pelo Prêmio ?Cláudio Luiz Ubeba? como o melhor profissional na área de Educação pela Câmara dos Vereadores de Barretos em 2017/2018; pelo prêmio Linguistas em foco pela ABRALIN; pelo prêmio Liderança Educacional pela Câmara dos Deputados em 2017, 2018, 2019, 2020 e 2021 e é Cidadão Bemérito pela Câmera dos Vereadores de Barretos.

Referências

BAKHTIN, Mikhail (1929). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: HUCITEC, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança. São Paulo: Paz e Terra. 1992.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em 28 mar. 2020.

BRASIL. LDB: Lei 5692/71. Lei de diretrizes e bases da educação nacional. Disponível: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-norma-pl.html. Acesso em: 12 ago. 2020.

BRASIL. LDB: Lei 9394/96. Lei de diretrizes e bases da educação nacional – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação Conselho Nacional de Educação. Catálogo nacional de cursos superiores de tecnologia. Brasília/DF. Ministério de Educação e Cultura. 3.ed. 2016. Disponível: http://portal.mec.gov.br/catalogo-nacional-dos-cursos-superiores-de-tecnologia-. Acesso em: 12 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação Conselho Nacional de Educação. Educação profissional – referenciais curriculares nacionais da educação profissional de nível técnico. Brasília, 2000. Disponível: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/introduc.pdf. Acesso em: 12.ago.2020.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2007. 76 p. Disponível: http://portal.mec.gov.br/docman/2191-plano-nacional-pdf/file. Acesso em: 12 ago. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular – Ensino Médio. Brasília/DF. Ministério de Educação e Cultura. 2017. Disponível: http://portal.mec.gov.br/docman/abril-2018-pdf/85121-bncc-ensino-medio/file. Acesso em: 05 abr. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação Conselho Nacional de Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Brasília/DF. Ministério de Educação e Cultura, 2000. 71 p. Disponível: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/14_24.pdf. Acesso em: 09 fev. 2021.

FAZENDA, I (org.). O Que é interdisciplinaridade? São Paulo: Cortez, 2008.

GERALDI, W (org.); ALMEIDA J.; LEITE, L. C. M.; OSAKABE, H.; POSSENTI, S.; SILVA, L. L. M.; FONSECA, M. N. G.; BRITTO, L.P.L. O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 1997.

LAGARES, C. X. Qual política linguística – desafios glotopolíticos contemporâneos. São Paulo: Parábola, 2018.

NUNES, R. H. Abordagem (sócio)histórica e emancipatória em educação: diálogo entre Bakhtin e Freire. In PEREIRA, A.L; SOUZA, A.C; BRÍGIDO, E; GABRIEL, F.A; MARTINEZ, F.W. (Orgs.). Ágora: fundamentos epistemológicos e pesquisas avançadas em educação. Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2019.

RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, 2003. p.144.

RAJAGOPALAN, K. Política linguística: do que é que se trata, afinal? In NICOLAIDES, C.; SILVA, K. A; TILIO, R., ROCHA, H. Cl. (Orgs.). Política e Políticas Linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2013. p. 19-42.

Downloads

Publicado

2021-11-18

Como Citar

Nunes, R. H., & Aparecido da Silva, K. (2021). Políticas linguísticas e a Educação Profissional e Tecnológica: Língua Portuguesa e Educação Humanizadora. Revista Da Anpoll, 52(2), 157–177. https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i2.1561