Ensino de inglês na escola pública em perspectiva INdisciplinar e dialógica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i2.1556

Palavras-chave:

Ensino de inglês, Escola pública, Linguística Aplicada, Análise dialógica

Resumo

Este artigo objetiva investigar como o discurso acadêmico do professor-pesquisador de inglês participa da discussão ideológica sobre o ensino de inglês na escola pública. À luz da Linguística Aplicada (LA) INdisciplinar, fundamento a discussão com concepções de ensino crítico de inglês no Brasil. Posteriormente, em interface com a perspectiva dialógica da linguagem, apresento minha postura dialógica de análise de dados para explorar a composição de dois resumos de dissertação de mestrado sobre o ensino de inglês publicados em 2017 e 2020. A análise do corpus evidencia que o discurso acadêmico se bivocaliza com o discurso teórico, por meio da nomeação de teorias e da citação indireta a outros estudos, para criticar a tradição de ensino de leitura e escrita em língua inglesa e complementar o discurso oficial sobre o ensino de inglês. Assim, a análise elucida a heterogeneidade da composição do discurso acadêmico do professor-pesquisador de inglês e revela a ausência de interesse inicial sobre problemas sociais, mas que acabam sendo apontados no corpus analisado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Samuel de Carvalho Lima, Instituto Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil

Licenciado em Letras - Português, Inglês e respectivas Literaturas pela Universidade Federal do Ceará (2007). Tem mestrado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (2009), doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (2012) e pós-doutorado em Ciências da Educação, na especialidade de Educação em Línguas Estrangeiras, pela Universidade do Minho (2018). É professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, campus Mossoró (IFRN), onde atua em cursos técnicos, no ensino superior, na Especialização em Educação e Contemporaneidade, no Mestrado em Ensino (POSENSINO) e no Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica (PROFEPT). Atua como Assessor de Extensão e Relações Internacionais, em exercício na Reitoria do IFRN (2020-atual). É um dos líderes do GEL - Grupo de Pesquisa em Ensino-Aprendizagem de Línguas (IFRN). Temas de interesse: língua em perspectiva dialógica, ensino de línguas, uso de tecnologias digitais, escola pública e educação profissional.

Referências

AMARAL, M. R. S.; SILVA, E. G; GONÇALVES, J. B. C. As contribuições da Linguística Aplicada (LA) e da Análise Dialógica do Discurso (ADD) para pensar a escola como lugar de debate público. RAÍDO (ONLINE), Dourados, v. 14, n. 36, p. 355-377, 2020.

BAKHTIN, M. M. Problemas da poética de Dostoiévsky. Tradução de Paulo Bezerra. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2018.

BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. 1ª edição. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra. Notas da edição russa Serguei Botcharov. São Paulo: Editora 34, 2016.

BIASI-RODRIGUES, B. Organização retórica de resumos de dissertações. Revista do GELNE (Grupo de Estudos Linguísticos do Nordeste), Fortaleza, v. 1, n. 1, p. 31-37, 1999.

BRAIT, B. (org.). Bakhtin: conceitos-chave. 5 ed. São Paulo: Contexto, 2017.

BRAIT, B. (org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2016.

BRAIT, B. Análise e teoria do discurso. In: BRAIT, B. (org.). Bakhtin: outros conceitos-chave. 2 ed. São Paulo: Contexto, 2016. p. 9-31.

CAETANO, E. A. “But When do I do Critical Literacy?” Perspectives for Designing Critical Literacy Activities in EFL Classrooms. Rev. bras. linguist. apl., Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 279-300, 2020.

CARNEIRO, K. Z. S. Abordagens críticas sobre o ensino de inglês na escola pública: tendências de pesquisas na RBLA. In: CONGRESSO NORDESTINO DE LINGUÍSTICA APLICADA, 1., 2021, Aracaju. Anais do I Congresso Nordestino de Linguística Aplicada (I CONELA): panorama dos estudos teóricos e práticos em linguística aplicada. Aracaju: Ed. dos Autores, 2021. p. 1025-1038.

CELANI, M. A. A. Transdisciplinaridade na Linguística Aplicada no Brasil. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. C. (org.). Linguística aplicada e transdisciplinaridade: questões e perspectivas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998. p. 129-142.

CIAVATTA, M. O ensino integrado, a politecnia e a educação omnilateral: por que lutamos?. Trabalho & Educação, Belo Horizonte, v. 23, n. 1, p. 187-205, 2014.

DA SILVA, L. Critical tasks in action: the role of the teacher in the implementation of tasks designed from a critical perspective. Ilha do Desterro A Journal of English Language, Literatures in English and Cultural Studies, Florianópolis, v. 73, n. 1, p. 109-128, 2020.

DANTAS, S. G. M. A escrita colaborativa no Google Docs: uma intervenção pedagógica no ensino de língua inglesa. 2020. Dissertação (Mestrado em Ensino) – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Universidade Federal Rural do Semiárido, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Mossoró, 2017.

FABRÍCIO, B. F. Linguística aplicada como espaço de “desaprendizagem”. Redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 45-65.

FABRICIO, B. F. Linguística aplicada e visão de linguagem: por uma INdisciplinaridade radical. Rev. bras. linguist. apl., Belo Horizonte, v. 17, n. 4, p. 599-617, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 67 ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GADOTTI, M. A escola e o professor: Paulo Freire e a paixão de ensinar.1 ed. São Paulo, Publisher Brasil, 2007.

GUERRA, W. T. Ensino de inglês para fins específicos e multiletramentos na oferta técnica da escola pública. 2017. Dissertação (Mestrado em Ensino) – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Universidade Federal Rural do Semiárido, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte, Mossoró, 2017.

HOOKS, B. Teaching to transgress: education as the practice of freedom. New York: Routledge, 1994.

KUMARAVADIVELU, B. Language teacher education for a global society: a modular model for knowing, analyzing, recognizing, doing, and seeing. New York: Routledge, 2012.

KUMARAVADIVELU, B. The Decolonial Option in English Teaching: Can the Subaltern Act? Tesol Quarterly, Michigan, v. 50, n. 1, p. 66-85, 2016.

LIMA, S. C.; BASTOS, R. L. G. A produção de sentido no discurso jornalístico sobre a pandemia de Covid-19 no Brasil. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 21, n. 2, p. 253-265, 2021.

LIMA, S. C.; VIEIRA, F. O papel do livro didático na promoção da autonomia na aprendizagem de inglês. Rev. bras. linguist. apl., Belo Horizonte, v. 20, n. 1, p. 217-244, 2020.

MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

MULICO, L. V. Learning from the subaltern: What does Maria Lindalva teach us about hegemonic-common-sense-ideology and text selection for English language learning materials?. Trab. linguist. apl., Campinas, v. 59, n. 1, p. 129-150, 2020.

PENNYCOOK, A. Applied Linguistics as epistemic assemblage. AILA review, Amsterdam, v. 31, n. 1, p. 113-134, 2018.

PENNYCOOK, A. Global Englishes and Transcultural Flows. New York: Routledge, 2007.

PENNYCOOK, A. Language as a local practice. New York: Routledge, 2010.

PENNYCOOK, A. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 67-83.

RAJAGOPALAN, K. Culture as an experience of identity formation in foreign language learning. Policromias - Revista de Estudos do Discurso, Imagem e Som, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 11-20, 2018.

RAJAGOPALAN, K. Política de ensino de línguas no Brasil: história e reflexões prospectivas. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. 1 ed. São Paulo: Parábola, 2013. p. 143-162.

RAJAGOPALAN, K. Repensar o papel da linguística aplicada. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 149-168.

ROCHA, L. L. Teoria queer e a sala de aula de inglês na escola pública: performatividade, indexicalidade e estilização. 2013. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

SZUNDY, P. T. C.; MARTINS, P. S.; MOREIRÃO, D. D. P. A filosofia da linguagem do Círculo de Bakhtin e a LA indisciplinar: diálogos possíveis. RAÍDO (ONLINE), Dourados, v. 14, p. 378-399, 2020.

URZEDA-FREITAS, M. T. Educando para transgredir: reflexões sobre o ensino crítico de línguas estrangeiras/inglês. Trab. linguist. apl., Campinas, v. 51, n. 1, p. 77-97, 2012.

VIEIRA, F.; MARQUES, I; MOREIRA, M. A. Para o desenvolvimento da autonomia com o manual escolar. In: CASTRO, R. V. et al. (org.). Manuais escolares: estatuto, funções, história. Braga: Centro de Estudos em Educação e Psicologia, 1999. p. 527-544.

VOLÓCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 2ª edição. Tradução, notas e glossário de Sheila Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Editora 34, 2018.

Downloads

Publicado

2021-11-18

Como Citar

de Carvalho Lima, S. (2021). Ensino de inglês na escola pública em perspectiva INdisciplinar e dialógica. Revista Da Anpoll, 52(2), 138–156. https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i2.1556