Linguística Aplicada

suas perspectivas pós-emancipatórias bem como seus desafios à frente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i2.1542

Palavras-chave:

Linguística Aplicada, Virada crítica, Languaging, Translinguagem, Estruturalismo saussureano

Resumo

Este artigo procura discutir os futuros rumos do campo de estudo que já se encontra consolidado como disciplina independente sob a nome de ‘Linguística Aplicada’. Atenção especial é dirigida ao ‘afrouxamento’ da própria noção de língua como objeto hermeticamente fechado e impermeável a influências vindo do lado de fora, bem como à virada crítica que ele tem tomado nos últimos anos, junto com o impulso de intervir nos estados das coisas que ele descortina mediante trabalho árduo. Argumenta-se que este último não é, de maneira alguma, um gesto tardio de caráter opcional, posterior ao trabalho analítico costumeiramente realizado. É, ao invés, um desdobramento inevitável da nova postura assumida pelos pesquisadores no campo – cujas raízes podem ser identificadas até nos pensamentos de Saussure no raiar da Linguística – sua ‘disciplina-mãe’. Destaca-se também o surgimento de uma série de ameaças a serem enfrentadas no horizonte no futuro próximo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Kanavillil Rajagopalan, UNICAMP

É Professor Titular (aposentado-colaborador) na área de Semântica e Pragmática das Línguas Naturais da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e pesquisador 1-A do Cnpq. Participa em programas de pós-graduação na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e da Universidade Federal de Tocantins (UFT - Campus de Porto Nacional). Ele nasceu na Índia, onde obteve B.A. em Literatura Inglesa (Universidade de Kerala), M.A. em Literatura Inglesa (Universidade de Delhi) e M.A. em Lingüística (Universidade de Delhi). Fez Diploma em Lingüística Aplicada na Universidade de Edimburgo, Escócia. É Doutor em Lingüística Aplicada (PUC-SP) e Pós-Doutor em Filosofia da Linguagem (Universidade da Califórnia, Berkeley, EUA). Já publicou 6 livros: Por uma Lingüística Crítica (Parábola, 2003), A Lingüística que Nos Faz Falhar (em parceria, Parábola, 2004), Políticas em Linguagem: Perspectivas Identitárias (em parceria, Editora da Mackenzie, 2005) e Applied Linguistics in Latin America (John Benjamins, 2006), Nova Pragmática: Fases e Feições de um Fazer (Parábola, 2010),Um Mapa da Crítica nos Estudos da Linguagem e do Discurso (em parceria, Editora Pontes, 2016) e colaborou com Yves Lacoste na publicação da edição brasileira do livro A Geopolítica do Inglês (Parábola, 2005) e publicou mais de 600 textos (artigos em revistas nacionais e internacionais, resenhas, resumos, capítulos de livros, prefácios, apresentações e textos em anais de congressos). Contribuiu verbetes/capítulos para enciclopédias como Encyclopaedia of Pragmatics (Elsevier, 1998), Encyclopedia of Sociolinguistics (Elsevier, 2001), Handbook of Applied Linguistics (Blackwell, 2003), Fitzroy-Dearborn Encyclopedia of Linguistics (Chicago, 2004), Key Thinkers in Linguistics and the Philosophy of Language (Edinburgh University Press, 2005), Handbook of World Englishes (Blackwell, 2006), Encyclopedia of Language and Linguistics (Elsevier, 2006), World Englishes - Critical Concepts in Linguistics (Routledge, 2006), Encyclopedia of Language and Education (Springer, 2008), Key Ideas in Linguistics and the Philosophy of Language (Edinburgh University Press, 2009), Language in Life, A Life in Language -- A Festschrift for Jacob Mey" (Emerald Group, 2009), Language and Politics (Routledge, 2010), Brazil Today: An Encyclopedia of Life in the Republic (Greenwood Press, 2012), Encyclopedia of Applied Linguistics (Wiley-Blackwell, 2012,) e The TESOL Encyclopedia of English Language Teaching (Wiley, 2018). Desde 1996, atua como um dos editores da revista DELTA. Em 2015, foi nomeado um dos editores da revista WORD (Nova Iorque) Em dezembro de 2006, recebeu o Prêmio de Reconhecimento Acadêmico "Zeferino Vaz."

Referências

GIVÓN, Talmy. Beyond structuralism: Should we set a priori limits on our curiosity? Studies in Language, v. 37, n. 2, p. 413-423, 2013.

GOFFMAN, Erving. Frame Analysis: An Essay on the Organization of Experience. Boston: Northeastern University Press, 1974.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. Autopoiesis and Cognition: The Realization of the Living. Studies in the Philosophy of Science 42. Dordrecht: D. Reidel Publishing Co., 1973.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. The tree of knowledge: Biological basis of human understanding. Boulder/Colorado: Shambhala Publications, 1984.

OTHEGUY, Ricardo; GARCIA, Ofélia; REID, Wallis. Clarifying translanguaging and deconstructiong named languages: a perspective from linguistics. Applied Linguistics Review, v. 6, n. 3, p. 281-307, 2015.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. A linguística de corpus no tempo e no espaço: visão reflexiva. In: GERBER, Regina Márcia; VASILÉVSKi, Vera (Orgs.). Um Percurso para Pesquisas com Base em Corpus. Florianópolis: Editora da UFSC, 2005, p. 11-45.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. Philosophy of Applied Linguistics. In: DAVIES, Alan; ELDER, Catherine (Eds.). Handbook of Applied Linguistics. 2003. p. 397-420.

SAUSSURE, Ferdinand de. Cours de linguistique générale. With edition by Charles Bally and Alert Sechehaye, with the assistance of Albert Riedlinger. Lausanne, Paris: Payot, 1916.

WIDDOWSON, Henry. On the limitations of linguistics applied. Applied Linguistics, v. 21, n. 1, p. 3-25, 2000.

Downloads

Publicado

2021-11-18

Como Citar

Rajagopalan, K. (2021). Linguística Aplicada: suas perspectivas pós-emancipatórias bem como seus desafios à frente. Revista Da Anpoll, 52(2), 13–24. https://doi.org/10.18309/ranpoll.v52i2.1542