Português Brasileiros e suas Literaturas: da Potência Local à Inserção Global, em Diferença

Osmar Moreira dos Santos

Resumo


O que seria internacionalizar a língua portuguesa e suas literaturas ante às contradições do campo linguístico-literário no sistema científico brasileiro e sua política pública? Essa pergunta pressupõe um objetivo geral: explorar a força local do trabalho com o português brasileiro e suas literaturas, como um agenciamento global. A metodologia indica como a partir da pesquisa da língua e das linguagens, desde a iniciação científica jr. em colégios estaduais, passando pela iniciação científica na graduação em Letras, aos programas de pós-graduação, é possível não só mapear instituições nacionais e internacionais sobre o tema, mas, principalmente, criar as condições para que os falantes e escritores façam da aquisição da língua um instrumento de
combate das ordens de despejo linguístico, cultural, territorial e ontológico promovidas pelo imperialismo e sua globalização excludente e reacionária. Um dos principais resultados, além do cosmopolitismo desse trabalho de resistência, é vislumbrar um novo papel de mediação para uma associação científica do quilate da ANPOLL (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Letras e Linguística) com seções em cada estado da federação, em que um novo associado, o comunitário, seja fator de inclusão dos profissionais das Letras, seja este da graduação, sejam os que estão em suas práticas na rede escolar pública. Ser global, no local, é do ponto de vista da
periferia do sistema, um gesto alternativo de internacionalização, resistência e de criação.


Palavras-chave


Português; Literaturas; Signos; Local; Global; Emancipação

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i51.1333

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Osmar Moreira dos Santos

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.