Leonorana, de Ana Hatherly: o poema enquanto catedral barroca

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18309/anp.v51i3.1411

Palavras-chave:

Ana Hatherly, Po-Ex, Camões, Leonorana, Barroco

Resumo

Luís Vaz de Camões escreveu, no século XVI, um famoso vilancete, intitulado “Descalça vai para a fonte”. Com base nele, em 1970, a poeta e investigadora Ana Hatherly escreveu um poema, intitulado “Leonorana Variação VII”, que irei analisar. Darei especial relevo à ligação da Poesia Experimental Portuguesa ao Barroco e ao modo através do qual Hatherly se apropriou da Lianor, referida nos versos camonianos, consignando-a num verdadeiro poema-labirinto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Luís Carlos S. Branco, Universidade de Aveiro, Aveiro,

Investigador em Estudos Culturais e Literários

Centro de Línguas, Literaturas e Culturas (CLLC)/ Departamento de Línguas e Culturas da Universidade de Aveiro

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Branco, L. C. S. (2020). Leonorana, de Ana Hatherly: o poema enquanto catedral barroca. Revista Da Anpoll, 51(3), 177–188. https://doi.org/10.18309/anp.v51i3.1411

Edição

Seção

Estudos Literários (2020)