Plurimidialidade no Mundo Digital de Alice Através do Espelho, de Paulo de Moraes

Mail Marques de Azevedo

Resumo


A versão digitalizada de Alice através do espelho (2014), de Paulo de Moraes, é uma mixagem de mídias que se concatenam ou superpõem, em cenas de musical com solos, coros, dança e, particularmente, animação gráfica, que movimenta a ação e fornece cenários. A cenografia utiliza-se de recursos do circo – malabarismos no trapézio, explosões inesperadas, escorregadores e cenários que despencam – e mais, de jogos de luzes e figurinos representativos dos seres do país das maravilhas. A partir do exame dos mecanismos utilizados para envolver a plateia, este artigo analisa o papel da imaginação na criação dos seres estranhos do universo de Carroll, com base no conceito de conceptual blending, proposto por Fauconnier e Turner (2003). Para os autores a imaginação é a mola propulsora da criatividade inerente aos seres humanos e o mecanismo básico na formação do pensamento.

 


Palavras-chave


Encenação; Plurimidialidade; Alice Através do Espelho; Conceptual Blending

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v1i51.1313

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Mail Marques de Azevedo

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.