Para uma gramática brasileira do pensamento de-colonial: de alcunhas inaceitáveis como O País do Carnaval ao Brasil, um país do futuro como manifesto contra o racismo

Sandra Bagno

Resumo


No debate político e cultural do dia a dia nos deparamos com expressões em que o Brasil acaba sendo definido o país do carnaval, evocando assim ironicamente o romance de estreia, em 1931, de Jorge Amado; ou ainda o país do futuro, aludindo até com sarcasmo ao ensaio publicado por Stefan Zweig em 1941. Contudo, até o sucesso, cada um à sua maneira, das duas obras demonstra que elas colocaram
questões significativas, e hoje reconhecíveis ainda mais se observadas à luz do pensamento decolonial, em uma ótica de autonomia a respeito de categorias e estereótipos de herança europeia. A primeira teoriza a separação, em termos mentais e geográficos, da peculiaridade do Carnaval no Brasil de velhas alcunhas europeias. A segunda, enquanto as catástrofes da Segunda Guerra Mundial estavam demonstrando ao mundo a insensatez, entre outras, das lógicas racistas, celebrava a
peculiaridade do paradigma brasileiro, com sua miscigenação racial como pressuposto de uma convivência possível.

Palavras-chave


O País do Carnaval; Jorge Amado; Brasil, um país do futuro; Stefan Zweig; Pensamento decolonial; Carnaval; Miscigenação racial

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.18309/anp.v47i1.1204

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2018 Sandra Bagno

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 3.0 License.